Casal pelo Mundo em Gili Air, Indonésia.

Casando em Bali – Parte 2: Ilhas Gili, a pré lua-de-mel.

A nossa chegada em Bali e ida às Ilhas Gili

Este post sobre as Ilhas Gili é continuação do ‘Planejando um casamento simples’.

Ao chegar no aeroporto de Denpasar, em Bali, o Prido O Noza já estava nos esperando. Descobri esse motorista num blog (que me esqueci agora) e negociei com ele, uma semana antes, o preço para nos buscar no aeroporto e nos deixar no hotel. Normalmente você chega no aeroporto de Bali e os motoristas começam a negociação em IDR 350,000. Mesmo taxis normais (com taxímetro), querem um preço fixo. Nós pagamos IDR 100,000, o que foi justo, para um trajeto de 9,3km (para terem uma idéia, na volta, com taxímetro, pagamos IDR 60,000 para um trajeto de 6,9km).

Super gente boa esse rapaz, ele também faz tours de um ou dois dias para quem precisar de motorista em Bali, mas não era o nosso caso. No caminho para o hotel, paramos em um Warung, para comprar comida. Tínhamos jantado cedo e o vôo atrasou, por isso estávamos com fome. Os Warungs são característica marcante da vida cotidiana dos indonésios. Trata-se de uma simples barraquinha (ou carrinho) de comida, que vende de tudo. Normalmente os que vendem alimentos tradicionais (tipo comida caseira, para eles), têm um preço muito bom. Para quem não está acostumado, pode estranhar os tempeiros locais e até ter dor de estomago ou talvez algo mais pesado… Hehe! Mas nós comemos em Warungs quase todos os dias e a comida estava deliciosa!

Casal pelo Mundo em Gili Air, Indonésia.
Casal pelo Mundo em Gili Air, Indonésia.

O dia seguinte

Passamos a noite em Bali e na manhã seguinte pegamos um transfer até o outro lado da ilha. De lá, pegaríamos um barco (fast boat) até Gili Air, uma das Ilhas Gili.

Aqui na Indonésia, as negociações de horários são parecidas com o Brasil. As pessoas até marcam hora, mas raramente são pontuais. Nosso transfer estava marcado para nos buscar no hotel entre 6-6h30am (30 min de ‘janela’), para estarmos no píer as 8h30am. O motorista chegou no hotel às 7h15am. Pois é, ainda tinha mais gente para buscar – e tudo sem GPS – fazendo ligações e tentando encontrar os hotéis/ vilas/ e pousadas dos clientes. Uma bagunça, na verdade, mas faz parte da diversão!

Depois de pouco mais de uma hora de muita emoção dentro da Van, alguns ataques no coração e a impressão de que quase atropelaríamos várias motos (sim, o motorista era bem doido), chegamos ao píer. Pagamos o nosso transporte para as Ilhas Gili por lá. Conseguimos negociar por email com a empresa Wahana Gili Ocean no dia anterior e pagamos IDR 600,000 ida e volta por pessoa, com o transfer (metade do valor apresentado no site da empresa). Ficamos no aguardo do barco por mais de uma hora. Depois levou mais uma hora e quarenta minutos até chegarmos ao paraíso! Resumindo: passamos a manhã toda no transporte Bali- Ilhas Gili.

Barcos nas Ilhas Gili.
Barcos nas Ilhas Gili.

Outras empresas de barcos podem ser encontradas aqui.

Como podem ver, já negociamos carro e barco. Aqui na Indonésia é muito comum existir essa negociação antes de fechar negócio. Principalmente em locais muito turísticos, como Bali. Acontece também na compra de roupas, souvenirs e até bebida alcoólica em mercadinhos pequenos.

Ilhas Gili – Gili Air

Logo que o barco chega em Gili Air, muitos motoristas de carroças te oferecem o serviço deles (normalmente por IDR 100,000) para levarem você e sua bagagem até o hotel. Porém, como tínhamos pouca bagagem e sabíamos que a ilha era pequena, resolvemos ir a pé e desbravar a ilha. Além do que, não gostamos muito do fato de ter um cavalo fazendo todo o trabalho duro.

Demoramos um pouco para encontrar a nossa acomodação. Era um bangalô, chamado Suena, nos fundos da casa de um local. Bem novinha a acomodação, então provavelmente ainda pouco conhecida na ilha. O lugar era uma delícia! Nossa casinha nos próximos dois dias! 🙂

Tínhamos um quarto com ar condicionado, frigobar, uma varanda com mesa e cadeiras para o café da manhã (incluso) e uma rede. Tinha também dois snorkels, para vermos os corais e peixinhos e um banheiro ocidental (Western toilet), que é como os banheiros como nós conhecemos são anunciados por aqui… Hehe! O banheiro não tinha teto. Isso era tanto bonito, por nos permitir ver o céu aberto, quanto funcional, para manter o romantismo que pede a ocasião! Se é que vocês nos entendem… Haha!

Em Gili Air, estávamos na companhia do Marco e da Camilla, nossos amigos mineiros lindos, hoje australianos, que vieram para o casamento! Outra acomodação que recomendamos é o Scallywags Smuglers, onde eles estavam hospedados. Eles possuem várias unidades nas Ilhas Gili. Foi muito bom ter tempo para colocar o papo em dia antes de voltar para Bali e começar o corre-corre dos preparativos do casamento.

Nós com a Camilla e o Marco no restaurante!
Nós com a Camilla e o Marco no restaurante Eazy Gili Waroeng!

Recomendações especiais

Tem uma avenida principal, que cruza a ilha de norte à sul. Nela, encontramos um restaurante local delicioso, chamado Eazy Gili Waroeng! Vale muito a pena! O preço é bom, as pessoas que trabalham lá são muito simpáticas e a comida… é sensacional!

Durante nossas andanças, descobrimos que o melhor local para assistir o pôr-do-sol é no norte da ilha, com vários bares e restaurantes à beira-mar. Fizemos uma aula de yoga diferente com uma vara de bambu – no H2O yoga. O local fica no meio da ilha e é muito agradável! Eles oferecem aulas avulsas e possuem pacotes a partir de 4 aulas para quem tiver interesse em mais aulas. Dá até pra dividir com alguém. Também há a opção de retiros mensais de meditação e yoga.

H2O Yoga
H2O Yoga

Passeando pelas Ilhas Gili

É possível dar a volta na ilha toda a pé ou de bicicleta. Fizemos o trajeto a pé e demoramos menos de duas horas, indo bem devagar e parando para tirar fotos. Como podíamos usar o snorkel gratuitamente, aproveitamos para desbravar o mar raso ao redor da ilha. Mesmo pagando, vale muito a pena alugar um para o dia. Dá pra encontrar a partir de IDR 20,000 perto da praia. Um local bom para ver peixes e corais é logo depois do restaurante Scallywags, você consegue passar horas na água apreciando uma variedade de peixes e corais. Lembre-se de não pisar ou encostar neles, vamos manter a natureza viva! Ah e não se esqueça do protetor solar! 🙂

Foram dois dias de muito sossego e tranquilidade!

Ilhas Gili, um paraíso na Terra...
Ilhas Gili, um paraíso na Terra…

Diria que foi o suficiente para conhecermos a ilha, mas com certeza vale a pena ficar mais tempo por lá. Dá também pra estender a viagem para Gili Meno (uma ilha ainda menor), Gili Trawangan (maior e mais badalada), Komodo (a ilha dos dragões de Komodo) e Lombok (ilha maior, como Bali, mas bem mais sossegada e hoje em dia ainda menos conhecida turisticamente).

A cara de pau dos motoristas

Chegou a hora de voltar para Bali. Resolvemos pegar o barco de volta no período da tarde, que estava marcado para as 3pm. Eles pedem para que você esteja no píer com uma hora de antecedência, então chegamos no escritório da empresa às 2pm. Acontece que, como na experiência anterior, o barco chegou só às 3h30 e nós saímos às 4pm. Chegamos em Bali por volta das 5h30 e várias vans estavam lá novamente para levar os hóspedes até seus hotéis.

Foi então que um dos motoristas falou: ‘Nós deixaremos os hóspedes que estão indo para Seminyak no Bintang Supermarket – e não nos respectivos hotéis’. Resolvi falar que não, que queríamos ser deixados no hotel, conforme foi combinado no e-mail que recebemos. Mostrei o e-mail à eles e ele me disse: ‘É isso que podemos fazer, se não estiver satisfeita pode pegar um taxi daqui ou do Bintang Supermarket até o seu hotel’. Eu, ainda não satisfeita, continuei a conversa dizendo que o combinado era eles nos deixarem no hotel. Novamente, a resposta foi: ‘É isso que podemos fazer, você pode entrar em contato com o escritório amanhã e reclamar’.

Como lidar com eles

Enfim, eles devem estar acostumados com turistas sem internet e telefone local, que simplesmente aceitam essa solicitação e pronto. Como nós estamos morando aqui e temos telefone local, entrei em contato com o número 24h que estava no meu e-mail e expliquei a situação. A pessoa pediu para falar com o motorista da van e depois de uma curta conversa (e claramente não satisfeito), o motorista (que falava pouco inglês) pediu para nós colocarmos no GPS que ele levaria os hóspedes da nossa van aos três hotéis diferentes em Seminyak. Após uma hora e pouco de viagem, hora do rush em plena terça-feira, atravessamos a ilha e chegamos à Seminyak. As ruas alí são muito estreitas e apertadas para uma van passar, além de terem motos estacionadas e carros e motos transitando nos dois sentidos da via, um mini caos eu diria.

Barcos no pier durante a noite...
Barcos no pier durante a noite…

Conclusão

O primeiro hóspede foi deixado às 7pm e nós, últimos, que tínhamos GPS e falávamos mais ou menos a língua local, chegamos no hotel às 8h30pm. Detalhe: os três hotéis estavam num raio de 4km de distância um do outro. Resumindo: fiquei feliz quando consegui falar com a central e o motorista aceitou nos deixar no hotel, mas triste por ter demorado tanto tempo. Se estivéssemos todos parados no supermercado, teríamos que pagar um taxi, mas chegaríamos mais cedo. Então é isso… vivendo e aprendendo! Hahaha!

Espero que tenham aproveitado para viajar conosco pelas Ilhas Gili! 🙂

Leia o próximo texto sobre a saga do nosso casamento em Bali aqui!

 

Mamá

Comments

comments

2 comentários sobre “Casando em Bali – Parte 2: Ilhas Gili, a pré lua-de-mel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *